habilidades de um gestor de projetos

Quais as principais habilidades de um gestor de projetos? São muitas, afinal o ocupante desse cargo deve saber conciliar processos, pessoas e normas para que o escopo do produto seja alcançado com excelência. Portanto, o profissional precisa ser polivalente.

Alguém que está à frente de um projeto deve saber instigar as pessoas à ação, engajando-as e alinhando-as na busca por resultados específicos. Também é preciso ter conhecimentos técnicos sobre sua área de atuação, para guardar normas e padrões de qualidade.

Pensando nisso, criamos um guia. Continue a leitura e conheça as 7 principais habilidades de um gestor de projetos:

1. Liderar pessoas

A maioria dos objetivos de um projeto só pode ser alcançada por meio do trabalho conjunto de diversas pessoas, isto é, de uma equipe. Para tanto, é preciso alguém que esteja à frente, apontando a direção correta: um líder.

Liderar é uma habilidade, o que significa que é possível desenvolver tal competência ao longo da vida. Algumas pessoas nascem com essa característica mais aflorada, enquanto outras precisam trabalhar duro para desenvolvê-la. Uma coisa, porém, é certa: todo gestor de projetos deve ser um líder.

É importante destacar que liderar não tem a ver com ocupar ou não uma posição de comando na empresa. Nem todo chefe é um líder, assim como nem todo líder é um chefe. Liderar é influenciar pessoas na busca por resultados específicos, otimizando as chances de sucesso.

2. Comunicar-se de forma eficaz

Da iniciação à execução de um projeto, a falta de comunicação pode culminar em péssimos resultados. Sem diálogo, é difícil entender o que deve ser feito e é possível que o número de erros cresça, assim como a necessidade de retrabalho. Por isso, é preciso se comunicar.

Segundo o Project Management Institute (PMI), um gestor de projetos passa até 90% do seu tempo se comunicando, seja com os subordinados, clientes, fornecedores ou órgãos reguladores, por exemplo. O mais importante é ter uma comunicação clara e eficaz, evitando conversas paralelas.

Nesse caso, é essencial contar com a ajuda da tecnologia. Como é impossível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e comunicar o que deve ser feito, deve-se investir na implementação de novos canais de comunicação — como aplicativos mobile e murais de recados.

3. Ser disciplinado nas atividades diárias

Uma das principais características de um projeto é sua temporalidade. Isto é: ele tem um prazo específico para início e fim. E um gerente sem disciplina dificilmente consegue atender aos prazos pré-definidos, o que resulta em multas e perda de competitividade no mercado.

Disciplina é a competência que permite ao gestor fazer o que é preciso ao longo do dia, sem procrastinar ou culpar os outros pela falta de execução. Para tanto, é preciso gerenciar adequadamente o tempo, garantindo que tudo seja realizado em sua devida ordem.

Uma ferramenta muito interessante nesse sentido é a matriz de gestão do tempo, popularmente conhecida no livro: Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes. Segundo a autora, deve-se dividir as tarefas diárias em: importantes, não importantes, urgentes e não urgentes.

4. Ter inteligência contextual e analítica

Todo projeto está inserido em um contexto maior e depende dele para que seja bem executado. Entretanto, o gestor não tem tempo para sentar e analisar cada um desses aspectos minuciosamente. É necessário contar com a inteligência contextual.

O estudo dessa inteligência ainda é recente, porém sabe-se que ela está presente em muitos executivos ou CEOs. De forma sucinta, significa chegar a conclusões específicas com pouca ou nenhuma análise, de modo quase que intuitivo. É uma espécie de feeling.

Com a demanda pela tomada de decisões cada vez mais rápidas e eficazes, até para manter a competitividade do projeto, essa já pode ser considerada uma habilidade essencial. Para apoiá-la, é importante que o gestor mensure continuamente os indicadores e as métricas do projeto.

5. Vencer desafios com resiliência

O gerenciamento de projetos não é algo tão linear quanto parece. Por diversas vezes, é preciso voltar à etapa de planejamento, considerar fatores antes não observados e criar uma nova estratégia para execução. Isto é: um projeto envolve desafios contínuos. Dentre os principais, destacam-se:

  • interesses conflituosos dos stakeholders;
  • prazos apertados para entrega;
  • excesso de regulamentos;
  • imprevisibilidade dos fatores climáticos.

Todos devem ser vencidos com resiliência, ou melhor, com persistência. É realmente importante que o gestor prossiga, apesar das adversidades que surgem, pois só assim é possível atingir o objetivo final.

Por essa razão, a resiliência pode ser considerada uma habilidade essencial. Sem ela, a maioria dos projetos seria abandonada.

6. Buscar por conhecimentos teóricos específicos

O mundo todo está mudando rapidamente, como reflexo da época conhecida como quarta revolução industrial (ou indústria 4.0). Nesse contexto, é indispensável que o gestor de projetos aprofunde seus estudos em uma área, buscando obter conhecimentos específicos.

Essa área varia muito de acordo com cada projeto. Na construção civil, é preciso estudar sobre arquitetura ou engenharia. Já no setor de tecnologia, é válido estudar sobre ciências da computação ou engenharia de software. O importante é sempre se aperfeiçoar.

Também é crucial que todo gestor tenha conhecimentos distintos sobre como conduzir um projeto, identificando suas diversas etapas e antecipando-se às ameaças. Para isso, é muito comum que se busque certificações do PMI.

7. Inovar e “pensar fora da caixa”

Na execução de um projeto, nem sempre os recursos necessários estão disponíveis e, por isso, é importante que o gestor tenha uma mentalidade elástica. Desse modo, é preciso pensar “fora da caixa” e encontrar novas aplicações aos recursos que estão ao alcance.

Igualmente necessária é a disponibilidade para inovar e investir em novas tecnologias. Como dito, o mundo está mudando rapidamente e é essencial acompanhar essa transição com as tecnologias corretas. Como exemplo, é possível destacar:

A falta de inovação pode comprometer todo o projeto, tornando-o obsoleto em relação aos demais desenvolvidos no mercado. Por isso, todo gestor deve estar aberto à inovação, comprometendo-se em pensar “fora da caixa” e abraçar novas tecnologias.

Agora você está por dentro do assunto! Essas são as principais habilidades de um gestor de projetos. Com elas, é possível se destacar de outros profissionais, executar os projetos com maior eficiência e obter resultados fora da curva. Assim, todos serão beneficiados.

Gostou do conteúdo de hoje? Aproveite para compartilhá-lo em suas redes sociais e levar conhecimento a seus contatos!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>